Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A minha vida virada do avesso - crossfitjourney

A minha vida virada do avesso - crossfitjourney

Carta aos meus sogros

Nos ultimos dias tive de me abster de muitos pensamentos para nao colocar um ponto final na minha relacao. Nao por nao gostar do meu namorado, nao por ele me ter feito mal, nao porque nao temos assuntos desejos e vontades em comum, mas sim pelas raizes dele.
Quando iniciei uma relacao com o meu namorado nunca pensei que os problemas com ele (alem dos problemas psicoticos que tenho e que causam as mossas que causam todos os dias) viessem da familia dele.
Sei, e ja sao varios os casos em que constato a minha realidade de que as pessoas nao vao com a minha cara á primeira vista, a primeira impressao qie causo é que sou uma pessoa arrogante, com a mania que mando no mundo, quando no fundo a unica coisa que me define é a minha timidez e os meu medo de nao ser suficiente para os outros. O medo do julgamento do outro, o que o outro vai pensar de mim, o que posso eu fazer para o outro gostar de mim, o medo de cair no ridiculo fazem de mim uma pessoa reservada. Nao nasci nem fui criada com uma auto estima baixa, cheguei a ouvir o meu medico de familia que tinha uma auto estima do tamanho do mundo, mas a vida foi me diminuindo a auto estima até ela ficar do tamanho de uma formiga ( e acreditem que e so mesmo o tamanho pois a formiga e o insecto mais forte da sua categoria). Quando vos conheci estava nervosa, a roupa, a forma de me sentar á mesa, de comer, a conversa.... o que iria eu dizer? Optei por me deixar levar pela conversa, senti me observada por todos os lados, a sogra (aquele nome horrivel e que ja nada de bom indica) olhava me de cima abaixo e so descansou quando teve certeza de que eu nao era menor e que estava acima dos 27 anos.
Chegamos a passar um fim de semana juntos e foi a partir daí que achei que podíamos ser uma familia, que o facto de eu tratar tao bem do vosso filho seria o suficiente para gostarem de mim. Enganei me.
Foi logo 2 meses depois que fui albaroada com um comentario menos feliz, porque razao a minha suposta cunhada merecia ouvir um "bem vinda a família" e eu nao? Se estava nas mesmas condições? Foi o meu primeiro baque, fez me retroceder na forma como lidava com a situacao e a partir dai nunca mais consegui estar a vontade.
O que e que me fazia ser menos do que a outra? Lá esta, os outros, os outros sempre tiveram um lugar na minha vida abismal, mais do que o meu eu, primeiro os outros, depois eu. Se fosse outra pessoa estava se a borrifar se era bem vinda na familia ou nao, mas sou eu e eu queria que a familia da pessoa que eu amo, gostasse de mim.
Depois foi a casa de coruche, e eu que ate me divertia a ver casas e a ouvir as barbaridades do Rodrigo, mas para voces eu estava a apanhar uma seca e por mais que eu dissesse que nao, ouvia sempre um " a rute esta a apanhar uma seca"... talvez nao quisessem que eu estivesse ali e por isso queriam á forca fazer me acreditar que eu estava realmente a detestar estar ali.
Mas as coisas nao melhoraram e comecei a levar com comentarios menos agradáveis como se eu fosse uma pessima namorada e terrível dona de casa, chegaram a duvidar de que eu viveria com o meu namorado e que passava apenas os fins de semana la em casa. Como poderia vir eu feliz e com a ideia de que gostavam de mim depois disto? Se tudo o que faziam era mostrar me que o meu lugar nao era ali.
E nao era definitivamente.
Mas nao eram so os comentarios sobre mim que me incomodavam, é que na verdade quando se gosta de alguem nao suportamos injustiças, nao suportamos um tratamento abaixo daquele que nos achamos que o outro merece. E o meu namorado para mim merece tudo, o meu namorado salvou me a vida, faz me querer ser melhor todos os dias, fez me acreditar que talvez eu pudesse voltar a ser feliz um dia... e com o convivio eu fui me apercebendo de que o tratamento que lhe davam nao era de todo o que ele merecia, embora ele me dissesse que nao queria saber, que nao lhe interessava, que nao lhe tirava qualquer pedaco... mas claro que tudo mexe connosco e eu sabia que la no fundo ele se sentia menos que o irmao e isso magoava me pois eu nao suportava nem suporto ver esta pessoa triste

seja pelo motivo que for. E essa foi outra razao da minha desmotivacao em querer fazer parte da familia.
As pessoas sao todas diferentes sabem? Enquanto educadora de infancia eu era daquelas que me sentia mais segura e á vontade com as criancas do que com os adultos, e apesar de eu saber separar a minha vida pessoal da profissional, este campo assemelha se bastante e por isso isto eplica o porque de eu nunca chegar a vossa casa e agir como se fosse a casa dos meus pais ou da minha tia (que tao a vontade me sinto). Quando digo em casa, digo na rua, o tratamento seria o mesmo até porque nao tinha nem me deram confianca para passar a linha do "dona"...
Falam como se o erro fosse meu, mas tudo o que fiz foi mostrar vos ou tentar mostrar que comigo o vosso filho estaria em boas maos, que eu nunca faria nada para o magoar e que por ele eu aprenderia a passar a roupa, a limpar a casa e a cozinhar, eu deixaria de ser uma Farta do lar para ser una Fada do lar, apesar de estarmos no sec 21 e as relacoes serem totalmente diferentes, mas a minha vontade e mesmo essa cuidar dele, dar lhe tudo para que ele me ame.
Depois do qur aconteceu, voces nao mostraram só a preferencia que tem por um dos filhos, voces fecharam a porta, fecharam as janela interditaram a casa da família á minha entrada.. nao pensaram como seria daqui para a frente, ou acham que eu estou aqui temporariamente? E se nao estiver? Nada é certo nesta vida, e ninguém me diz nem me da certezas de que esta pessoa sera a certa para mim, que me continuará a fazer feliz todos os dias ou que os nossos objectivos nao seguirão caminhos diferentes um dia.. mas e se for? Vamos voltar aquilo que voces tiveram durante tantos anos? Passar natais separados? Obrigarem me a passar o natal longe dele ou mesmo voces? E quando tivermos filhos? Nao vao querer ter uma relacao com eles? Deixa los passar ferias com voces visto que vivem longe? Mas mais do que isto de futuro, nao seria sensato pensar o que iria o vosso filho pensar daquilo que voces fizeram? Desde fevereiro que eu vejo duas pessoas idosas terem atitudes infantis sem educacao e sem pingo de emocao.... nao pensem em mim, no meu ar mal encarado, nas minhas frases descabidas, pensem nele, pensem no passado e no futuro...

A raiva que me tem consumido todos os dias, é minha só minha, talvez voces vivam o vosso dia sem sequer se lembrarem que eu existo, sem sequer pensarem como eu me senti quando mesmo sem serem meus amigos no facebook me bloquearam e nas razões que apresentaram ao vosso filho para o fazerem. Mas eu nao, todos os dias eu tenho raiva, todos os dias eu penso como seria se eu me cruzasse com voces e em como eu teria de me controlar para nao dizer nem fazer nada que um dia me fizesse arrepender. Tenho de estar calada, quieta, mostrar que estou impávida e serena e que nada disto me afecta porque isso seria o que uma pessoa normal faria. Nao fiz nada de mal, para voces bastou a minha existência, a minha pobre existência... perdi a minha avo e com ela a minha familia e agora, para nao fazer sofrer aquele que penso ser o amor da minha vida, querem que o perca a ele também.
Porque?
Para que?

7a12e8341f4e3ab9d136b27b5b10040a.jpg

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.