Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A minha vida virada do avesso - crossfitjourney

A minha vida virada do avesso - crossfitjourney

O meu Eu

 

 

Cá estou eu de novo, tenho evitado vir ao blog pois uma das minhas obcessões é que cada vez que venho e escrevo sobre as minhas decepções, algo de mau acontece.

Tudo o que escrevo aqui sou eu nua, despida de tudo, escrevo o que me vem na alma, sem medos, não corro riscos de julgamentos injustos ou condenáveis, sou eu, como ninguem me conhece.

Ninguém quer saber da minha vida, não vejo as estatisticas do blog pois sei que nao existe ninguem interessado na minha vida vazia e consequentemente naquilo que escrevo. Haverá mais pessoas na minha situação, mas estão tão vidradas com os seus problemas que ler mais problemas só as vai fazer ficar pior ainda. Mas e se não escrevo para me lerem, escrevo para que? Escrevo para que eu me possa ouvir, para que eu possa interiorizar as coisas que me acontecem e aprender a viver com elas. Se resulta? Resulta, embora as vezes seja dificil ter este pequeno espaço, pois lidar com a realidade é sempre algo dificil, aterrorizante para quem está habituado a viver na fantasia.

 

Ter uma relação não é facil, não basta gostar, amar com todas as nossas forças, é preciso lutar contra a rotina, é preciso ignorar os pequenos detalhes ou os grandes detalhes que não nos agradam, é preciso saber por de lado aquilo que queriamos que a outra pessoa fosse, é preciso aceitar a pessoa nua e crua, é preciso aceita-la na sua plenitude. Não nos adianta de nada ver novela, filmes, ler livros e querer aquela vida para nós, sonhar com uma vida assim cheia de amor todos os dias, cafes da manhã, tardes a ver o por do sol e risos todos os dias.. a vida real nao é assim. Na vida real há dias bons e maus, é preciso saber lidar com os maus da mesma maneira que lidamos com os bons, é preciso saber colocar de lado quando ele acorda cansado e farto da vida e descarrega em ti a frustração dos seus desejos inalcancaveis, é preciso saber perdoar um deslize.. sim deslizes... deslizes existem em todas as relações quando vês alguem que te da mais atenção, que tem um corpo melhor, um cheiro diferente, uma forma dirente de lidar contigo, alguem te tras aquilo que eras antes de conhecer aquela pessoa.. todos passam por esses dilemas que dão origem aos deslizes e que depois temos de saber perdoar e aceitar se realmente queremos ficar com aquela pessoa.

 

Na vida real nao é facil esquecer alguma coisa má que nos tenham feito, nas novelas elas acontecem um casal tem problemas, resolve os problemas e depois tudo desaparece como num passe de mágica... mas na vida real as coisas não passam, não desaparecem, tu só tens de deixar o tempo passar e aceitar o que aconteceu esquecendo tendo esperança que dias melhores virão.

 

Enquanto crescia, achava que podia escolher a vida que queria para mim, ao longo dos anos fui desenhando uma vida, e que vida boa era essa.... Um trabalho para o qual estudei e me formei, uma casa moderna pequena confortável onde eu pudesse deitar me no sofa a comer bolinhos e a ver historias de amor, úm grupo de amigas cumplice onde poderiamos desabafar tudo e quando eu tivesse um problema elas estariam lá para me ajudar e nao me deixariam sentir sozinha, um namorado apaixonado por mim que me desse flores, que me dissesse todos os dias que me amava, que faria tudo por mim e eu por ele, uma relação em que cada um poderia ser livre mas no final do dia quisessemos estar juntos presos um ao outro e mais tarde uma familia feliz, um pai atencioso, uma mae dedicada, festas com muitos amigos e felicidade. Para mim tudo era facilidade, esta vida poderia acontecer se eu quisesse, tudo era uma escolha, o sentimento, o amor, os filhos, as festas, as amigas... bastava eu querer amar aquela pessoa, bastava eu querer ser feliz assim que eu seria... Mas um dia acordas...

 

Eu acordei quando percebi que não podia controlar a minha mente, os meus pensamentos, os meus sentimentos... senti me fora do meu corpo, estava deitada na minha cama e aquela pessoa nao era eu, era uma outra pessoa que tinha arrancado de mim a minha alma. Onde estava, quem era, eram perguntas que fazia a mim mesma constantemente.. vomitei de ansiedade, abandonei o meu quarto, criei uma vida inexistente na minha cabeca e lutei por ela, para provar a mim mesma de que era capaz de criar a vida que durante tantos anos tinha desenhado para mim... o resultado ficou á vista uma ferida aberta ainda maior do que quando acordei para a realidade... Não posso forçar um sentimento.

 

Podemos conseguir um trabalho naquela área especifica, podemos ter uma casa como idealizamos em tempos, podemos ter um telémovel, um ipad, um blog, um computador.... tudo será nosso, será o meu trabalho, a minha casa, o meu telemovel, o meu carro... mas há coisas que nunca serão nossas.. um casamento feliz, um homem apaixonado, "meu amor" nao existe, não é teu nem nunca será teu... ele pode vir apaixonado, vai fazer tudo para te conquistar, mas quando te tiver, a relação vai se tornar monotona e so tu tens a capacidade de dar a volta á situação.. mas será que consegues? nao se controla o sentimento do outro, nao podes apagar os erros que cometes, mas tambem nao os podes evitar és humano e os humanos cometem erros... e sao esses erros e esses deslizes que vao acabando com aquilo que havia, com aquilo que foste construindo na paixão e nao dá mais para reerguer porque as mossas ficam sempre lá.

Se dá para viver assim? não, um dia vais olhar pela janela e dar te conta que nao és feliz, e deparaste com duas opções: acomodaste ou mudas de vida... Hoje em dia ninguem quer mudar de vida, vivemos acomodados ao que temos e não importa se somos felizes ou infelizes... é mais fácil assim, "é mais facil habituar ao que ja temos ele ate me trata bem, esta casa até é fixe, agora tenho de contar á familia que nos deixamos...dá muito trabalho" ... e tornaste uma pessoa infeliz, mais feia, menos paciente, menos carinhosa, e a vida feliz que desenhaste na tua mente desapareceu...

 

Eu nao quero ser uma pessoa assim, mas sou, quero esquecer o que o P. me fez e seguir a vida com ele, mas nao consigo, a raiva que sinto dele é cada vez maior, o ddesejo de estar com ele é cada vez menor, mas a força de largar tudo para o alto é tao pouca que eu reduzo me a minha insignificancia e tento ser feliz desta maneira. Vou fugir, vou fugir daquela casa, vou bloquear as raparigas com quem ele viveu dilemas, vou apagar apps, vou enganar a minha mente com um anexo novo um sofa e uma cama novas. Quanto tempo vou eu viver assim?

 

As cartas estão na mesa, o jogo esta prestes a comecar....

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.